O “Dr. Google” e a automedicação prejudicam os médicos?

Com a crescente crise econômica, as pessoas tendem a buscar soluções para os seus problemas de saúde no Google ou via automedicação, em vez de procurar um especialista.

Como isso pode impactar a profissão do médico?

Por que os pacientes tendem a preferir o Google?

Simples. O Google consegue responder em apenas um segundo quase qualquer pergunta. Mas a questão é: A resposta que ele dá é sempre correta?

Esse é um dos principais problemas (para o paciente).

São muito comuns os casos em que os pacientes se automedicam pelo Google e depois vão ao médico, pois a automedicação não funcionou como previsto (ou até piorou o caso).

Uma pesquisa recente constatou que cerca de 92% da população se automedica por pura e simples comodidade. O que eles não sabem é que isso custa muito caro.

Isso pode prejudicar o médico?

A minha resposta é: depende!

É importante que você saiba que, a ideia do Google é substituir você, médico, nas próximas décadas.

A ideia do Google é catalogar os problemas de saúde recorrentes (a princípio). Porém, o especialista é VOCÊ, médico.

Apenas um tipo de médico será substituído no futuro por uma inteligência artificial: Os que não possuem aquilo que a inteligência artificial jamais terá!

Como o médico pode enfrentar esse problema?

A boa notícia é que você pode se tornar “insubstituível”. Vou explicar melhor. Todos os artigos publicados neste blog são focados em carreira médica, visando sempre ao longo prazo.

Por mais que a inteligência artificial possa entender mais que um médico, um robô ter mais precisão numa cirurgia, o médico ainda será essencial.

Você já teve algum paciente que, por mais que ela tenha um problema de saúde, o objetivo da consulta era apenas desabafar?

A inteligência artificial não pode substituir a característica humana do médico, que muitas vezes pode definir o rumo do problema através do julgamento hábil.

O médico é o único profissional dotado de conhecimento e habilidade para discernir doenças mais intrincadas.

Quantas vezes uma simples dor de cabeça resultou em AVC ou câncer?

É importante que o médico trabalhe para conscientizar a população sobre a automedicação. Na maioria das vezes, a automedicação custa mais caro que uma simples consulta.

A má notícia é que nem todos os médicos estão preocupados com isso. Muitos deles nem sequer “agem com humanidade” para com os pacientes.

Seria você um destes?

 

Se este artigo foi útil a você, compartilhe-o com seus colegas e inscreva-se abaixo para receber conteúdo exclusivo em seu e-mail.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *